Brasil a poucos passos da Aliança Solar Internacional

Chineses sondam Pernambuco para investimentos
02/03/2018
Criação de empregos e novos negócios aquecerão o setor fotovoltaico no Brasil em 2018
06/03/2018

Brasil a poucos passos da Aliança Solar Internacional

A Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica informou que chegou ao Congresso Nacional a MSC nº 94/2018. Trata-se de um pedido de adesão do Brasil à Aliança Solar Internacional – ASI (International Solar Alliance – ISA, na sigla em inglês), coalizão intergovernamental que reúne 121 nações “ensolaradas”, localizadas entre os Trópicos de Câncer e de Capricórnio.

A ASI foi lançada durante a Conferência do Clima em Paris (COP 21), em 2015, e posteriormente formalizada em Nova Delhi, Índia, em 15 de novembro de 2016. Os objetivos essa aliança são reduzir o custo da energia solar, mobilizar mais de US$ 1 trilhão em investimentos para a implementação maciça da fonte até 2030 e preparar o caminho para novas tecnologias usando o sol como recurso primário.

Segundo o presidente executivo Absolar, Rodrigo Lopes Sauaia, a adesão brasileira à ASI abrirá as portas para que o Brasil se beneficie de programas e ações multilaterais nas áreas de financiamento, políticas de incentivo, regulação, modelos de negócio, tecnologia, pesquisa e desenvolvimento, entre outras.

“O Brasil ainda está 15 anos atrasado frente aos demais países no uso da tecnologia solar fotovoltaica e nossa participação na ASI contribuirá para que possamos incorporar as melhores práticas internacionais, acelerar o desenvolvimento da energia solar fotovoltaica em nosso país e nos posicionar como um ator de peso neste setor, cada vez mais estratégico no cenário mundial”, ressaltou Sauaia.

O pedido de entrada na ASI foi encaminhado pela presidência da República ao Congresso Nacional no dia 26 de fevereiro de 2018, em regime de prioridade, e aguarda a apreciação do Plenário. O comunicado da Presidência esclarece que a adesão do Brasil à ASI não implicará em custos ou em aportes de recursos.

“A expectativa da Absolar e do setor solar fotovoltaico brasileiro é de que, dado o amplo apoio da sociedade e dos parlamentares pelas fontes renováveis e dada a inexistência de custos ao país nesta adesão, o tema possa tramitar com grande agilidade junto ao Congresso Nacional. Não podemos ficar de fora deste movimento global em prol de um mundo cada vez mais sustentável e responsável, social e ambientalmente”, comentou o executivo.

Painel Solar

 

GD SOLAR ATINGE 200 MW
Enquanto a adesão não é apreciada no Congresso Nacional, o setor continua a sua expansão local. A Absolar comemorou o fato do Brasil ter atingido a marca histórica de 200 MW de potência instalada em sistemas de microgeração e minigeração distribuída solar fotovoltaica instalados em residências, comércios e serviços, indústrias, edifícios públicos e na zona rural.

Fonte: Ambiente Energia.